1ª visita às Famílias Assistidas de nosso Projeto

No dia 23 de outubro, aconteceu a primeira visita às casas das Famílias Assistidas do Projeto Família Belém 2021. 

A concentração dos Voluntários Missionários ocorreu na Capela São Francisco de Assis, localizada no bairro Parque Pinheiros. Foi um momento de muita alegria e nossa Voluntária Suanne nos relata um pouco sobre como foi essa experiência:

“Chegamos na capela às 14:00hrs e já haviam alguns Voluntários no local. Pedimos para que todos se sentassem na frente, próximo ao altar. E, então, a Carol fez uma pequena introdução falando o quanto as famílias são importantes e explicando algumas questões de como se comportar na intimidade de cada uma delas. Em seguida, chamamos as Famílias Missionárias e fizemos o envio dos quartetos com os seus representantes, já aproveitando para entregar o envelope e os itens da primeira visita. Após isso, a comissão se dividiu para explicar os pontos práticos: A Voluntária Kamylle leu o checklist com todos, esclarecendo as dúvidas. E eu expliquei as fichas de cadastro, cartão de desenho e quadro de tarefas. Para finalizar, realizamos uma foto com todos os Voluntários ali presentes e fizemos um grito de guerra: “FAMÍLIA MISSIONÁRIA, AMOR EM SERVIR!”. Logo depois alguns quartetos seguiram para as visitas!”

Envio – “Família Missionária, Amor em Servir!”

Ao chegarem na casa de determinada família, os Missionários fazem a entrega de uma rosa, para que no primeiro contato seja gerado um sentimento de confiança e aconchego; assim passamos a dar boas vindas a essa família ao Projeto. Depois foi entregue um kit com máscaras, para despertar nas Famílias a importância de se cuidar neste momento de pandemia que ainda estamos vivendo.

No decorrer da visita os Voluntários vão criando conversas para fazerem a Família se sentir confortável e se abrir contando suas necessidades, aflições e momentos de alegria e companheirismo que cada um vive. Neste momento, é necessário o preenchimento das fichas com os dados cadastrais e informações gerais dos membros da família, juntamente com as perguntas sobre qual item de vestuário cada criança quer ganhar no natal, que será o presente dado pela Família Doadora.

As crianças foram convocadas também para realizarem duas tarefas. A primeira é fazer um lindo desenho no cartão que será entregue para sua Família Doadora. E a segunda é a realização do quadro de tarefas. Essa é uma metodologia do Projeto para promover pequenas transformações no dia a dia das Famílias, onde se dispõe no quadro várias tarefas que estão divididas em: cuidados consigo mesmo, cuidados com a própria família e cuidados com a sociedade. São exemplos desses cuidados, respectivamente: escovar os dentes após cada refeição, arrumar o quarto e evitar desperdícios, dentre várias outras tarefas propostas para as crianças. Assim, ao realizar alguma dessas tarefas as crianças colocarão uma pedrinha em um copo já predestinado que, no final do Projeto, iremos utilizar para mostrar para elas quantos esforços foram feitos e como cada pequena pedra edifica a sua família gerando pequenas transformações diárias.

Depois de toda a conversa e explicação com as famílias, os Voluntários se  oferecem para tirar uma foto com elas a fim de terem um registro desse momento de tantas trocas de experiências e partilhas. E alguns dos nossos Voluntários nos descrevem como foi esse primeiro momento com as suas famílias:

“A primeira impressão é sempre delicada! Como voluntários, ficamos receosos em parecer que queremos atrapalhar ou saber demais da intimidade da família. Já para quem nos recebe, com certeza também não deve ser muito mais fácil, tampouco confortável receber quem não conhece. Mas felizmente, Deus nos proporciona como tudo deve realmente ser, e deu tudo certo! Pude presenciar falas felizes e de traumas profundos, o que exige de nós uma grande sensibilidade ao ouvir e ao responder o que nos é passado.

Com a pandemia, muitas dificuldades se agravaram, e tentamos sempre manter as palavras de esperança para trazer paz aos corações que estão aflitos, como se representasse realmente uma luz no fim do túnel. Ainda há bastante trabalho a ser feito, mas o primeiro passo foi dado, e isso que importa. Espero agora que haja a criação de um vínculo forte e amoroso, para que consigamos nos sentir como uma verdadeira família!” – Beatriz Bassoto